19 de agosto de 2014

Resenha - Cidade de Vidro

Título: Cidade de Vidro
Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 474
Classificação: 5/5
Onde comprar: Saraiva

Sinopse:
Clary está à procura de uma poção para salvar a vida de sua mãe. Para isso, ela deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras, criando um portal sozinha. Só mais uma prova de que seus poderes estão mais sofisticados a cada dia. Para Clary, o perigo que isso representa é tão ou menos assustador quanto o fato de que Jace não a quer por perto. Mas nem o fora de Jace nem estar quebrando as regras irão afastá-la de seu objetivo: encontrar Ragnor Fell, o feiticeiro que pode ajudá-la a curar a mãe.

Resenha:
A resenha de hoje é do terceiro livro da série Os Instrumentos Mortais, escrito pela Cassandra Clare e publicado aqui no Brasil pela editora Galera, o livro Cidade de Vidro foi uma grande surpresa mais do que agradável para mim, já que foi muito melhor do que os dois primeiros livros da série juntos. Aqui a saga de Clary continua e os problemas iniciados nos primeiros livros são resolvidos, bem como a estranha relação de parentesco entre a Clary e o Jace e o misterioso sono da mãe de Clary, além de diversos outros (sério, acontece muita coisa nesse livro, então não vou nem perder meu tempo tentando fazer um resumo dele). O livro é incrível e com certeza me animou para continuar a ler a série. Série essa que promete melhorar mais e mais!
O ritmo do livro é quase que alucinante! Não há nenhuma parte em que a autora fale pera, vamos diminuir um pouco o ritmo, a não ser, é claro, logo no começo. Ela sempre incia os seus livros de forma lenta, construindo uma base para o que vai acontecer a seguir, mas nesse terceiro livro a lentidão durou pouco e logo nas primeiras páginas do livro as cenas de ação começaram a mostrar a cara e tirar o fôlego do leitor; e assim foi o resto do livro: totalmente de tirar o fôlego!
O final do livro é totalmente incrível, cheio de cenas de ação incrivelmente bem descritas e com outras de tensão em que você pode sentir a atmosfera pesada que se passa na história; além do clima de guerra que me lembrou muito mesmo o último filme de Harry Potter, onde todos sempre estão na expectativa para um ataque surpresa ou algo do tipo. Eu repito que as cenas de ação desse livro foram muito bem descritas, tipo, muito bem mesmo! O leitor consegue ver tudo acontecendo diante dos seus olhos e consegue sentir tudo o que os protagonistas sentem. Dor, felicidade, alívio e até mesmo raiva conseguem ser passadas de forma tão boa pela autora que o leitor passa a sentir-se na pele do personagem.
É muito perceptível o amadurecimento na escrita da Cassandra Clare desde o primeiro até esse teceiro livro. Suas descrições melhoraram em um grau impressionante junto com o encaixamento das reviravoltas, que foram postas de modo a não parecerem tão foraçadas quanto nos livros anteriores e de modo a fazer com que o leitor perca totalmente o fôlego duranto todo o livro (eu repito muito porque foi o que eu mais senti durante o livro)!
A narrativa da Cassandra, como eu já disse, melhorou bastante; mas há uma coisa que eu continuo não gostando muito na sua narrativa: ela usa muitos fatos e coisas que aconteceram lá no primeiro livro ou no segundo, então eu fiquei meio que boiando em algumas partes da trama porque já faz um tempo que eu li o primeiro livro dessa série, então acho que se ela tivesse se baseado mais em coisas do presente em vez de ficar reomendo o tempo todo o passado, teria sido bem mais fácil de entender a história logo de primeira, em vez de ainda ficar confuso e tentando lembrar (nem sempre conseguindo) de fatos ocorridos nos livros anteiores, ou seja, ela não sabe encaixar muito bem o leitor na trama.
Bem, um livro incrível com uma narrativda excelente, personagens cativantes, uma história bem desenvolvida e um desfecho memorável, Cidade de Vidro é um livro pelo qual vale à pena se arriscar a ler os dois primeiros livros da série e embarcar nessas 474 (!) páginas cheias de ação, emoção e reviravoltas. Uma série proeminente e que eu com certeza quero continuar lendo, principalmente depois desse livro espetacular que foi Cidade de Vidro!
Abraços,
Gabriel

3 comentários:

  1. Iai xará, beleza?

    Cara, eu li Cidade dos Ossos e das Cinzas e não gostei muito de nenhum. Me disseram mesmo que esse é o melhor e confesso que fiquei animado sobre o que você disse em relação ao amadurecimento de escrita... To com ele aqui na estante, quando a coragem vier, eu leio. Abraço!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu parei de ler essa série logo no primeiro livro, achei a história muito confusa e os personagens mais confusos ainda e enfim, não gostei muito do primeiro livro e não tenho muita vontade de continuar, mas sua resenha deu vontade é de pular o segundo livro e ir direto pra esse terceiro! Heuheu Adorei a sua resenha! Até a próxima,
    Thiago

    ResponderExcluir
  3. Eu já li essa série toda e adorei todos os livros, não acho que o primeiro e o segundo sejam ruins e nem me desanimei com eles como vc, mas esse livro é mesmo o melhor de toda a série! Adorei o seu blog e a foto da resenha ficou magnífica! Beijos, Bia.

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel