30 de agosto de 2014

Perfil de Personagem - Margo Roth Spiegelman


Hoje eu quis me lembrar e fazer vocês lembrarem também de um garota misteriosa do livro Cidades de Papel, pelo qual foi escrito por John Green e terá adapatação cinematográfica com data de lançamento em 31 de julho de 2015, a Margo Roth Spiegelman.
Antes de falar quem é ela, tenho que apresentar a história que a criou.
Aos nove anos de idade, Margo e seu vizinho Quentin "Q" Jacobsen, pelo qual alimenta uma paixão platônica em relação a ela, presenciaram o cadáver de Robert Joyner largado junto ao tronco de um carvalho quando ambos andavam de bicicleta no Jefferson Park. A garota começou a pesquisar sobre a vida do tal Robert Joyner e os prováveis motivos pelo qual, supostamente, ele teria se suicidado. A partir daí, o amor por mistérios de Margo aumentou.
Margo sempre adorou um mistério. E, com tudo o que aconteceu depois, nunca consegui deixar de pensar que ela talvez gostasse tanto de mistérios que acabou por se tornar um.
Apesar de serem vizinhos, Margo e Q só se encontram de novo após 9 anos desde o 'incidente' no Jefferson Park. Ambos estudam na mesma escola e a garota é super popular, tem muitos 'amigos' e namora um completo babaca e idiota, Jase. Margo é uma garota cheia de curvas com lindos cabelos castanhos e ofuscantes olhos azuis. Ela mora com os pais e a irmã e tem uma personalidade incrivelmente forte e misteriosa, poucos conhecem a verdadeira Margo, quer dizer, ninguém conhece e jamais conheceram.
Ela é uma adolescente que não se dá bem com a família e se recusa a mostrar quem é verdadeiramente até mesmo com seus pais. Poucos sabem da sua paixão por livros, discos de vinis e mistérios.
De perto tudo é mais feio - disse ela 
Margo é uma grande adepta para o uso aleatório de letras maiúsculas: ''As regras de letra maiúscula são muito injustas com as palavras que ficam no meio.'' . Ela faz viagens por conta própria e sem avisar ninguém, usa dessas viagens para ser quem ela realmente é e fugir da máscara que cobre-a na escola. Para muitos, ela é quem aparenta ser, mas eu tenho uma frase que pode muito bem caracterizá-la: "Olha que ironia... Acontecia uma guerra dentro dela e ela sorria." Isso é a mais completa verdade. Margo parecia feliz e satisfeita com os amigos, a popularidade e o namorado, mas a verdade era que ela tentava vencer seus próprios dragões.
Penso que talvez eu tenha passado a maior parte da vida com medo como forma de me preparar, treinar meu corpo para o medo de verdade quando ele chegasse. Mas não estou preparado.
Em um de suas aventuras, Quentin teve o privilégio de conhecer um pouco da verdadeira Margo. Uma garota sensível, mas que se faz de durona, uma verdadeira caixinha de surpresas.
Quando a adolescente resolve fugir mais uma vez, porém sem a intenção de voltar, ela deixou várias pistas geniais para que Q a encontrasse; ela queria ser encontrada por alguém especial, a única pessoa que conseguiria encontrá-la, a única capaz de saber o que tem por trás da máscara.
Durante a jornada de achá-la, Q foi percebendo que aquela não era a garota pelo qual ele tinha se apaixonado, mas ele não desisti de seu amor, mesmo sendo algo que ele não poderia alcançar.
Ir embora é uma sensação boa e pura apenas quando você abandona uma coisa importante, algo que tinha um significado. Arrancando a vida pela raiz. Mas só se pode fazer isso quando sua vida já criou raízes.

Se vocês perceberem todos somos assim, todos temos um pouco da máscara que esconde a Margo, ninguém sabe realmente quem somos e nem mesmo nós vamos saber, afinal a vida sempre foi e sempre será um mistério. Ninguém terá as respostas de um cálculo de matemática, saberá os segredos do universo, o que criamos são apensas hipóteses para nos mantermos seguros e confortáveis, é isso o que a mente humana faz e sempre fará.
Espero que tenham gostado e leiam o livro. John Green sabe falar muito bem falar da vida e tenho certeza que irá se surpreender com o que descobrir.
Bjs,
Nicole!

''A cidade era de papel, mas as memórias, não''

6 comentários:

  1. A frase sobre a Margo ser um mostério é com certeza a minha favorita de todo o livro! Eu só li esse do John Green e sou super curiosa pra ler os outros, principalmente O Teorema Katherine, que parece ser o melhor! O seu último parágrafo foi bem reflexivo! opskapsopakspa continue assim e vai passar, como eu, bem fácil no vestibular!
    Beijinhos - Carla

    ResponderExcluir
  2. Olá cara, blz ? Muito bom seu blog, parabéns. Você gosta de série ? Já viu The 100 ? É muito boa, tem o livro também, mas não li ainda. Se você gosta de séries recomendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro séries, sou um pouco viciado, mas só um pouco, nem perco noites fazendo maratonas de séries, quê isso... Ainda não vi The 100 mas quero muito assistir! Pena que não tem na netflix, mas vou fazer de tudo pra assistir, obrigado pela recomendação!

      Excluir
  3. Muito bom, muito bom mesmo. Não o livro, mas a sua perspectiva sobre a Margo que antes para mim parecia só uma louca adolescente cabeça de gás hélio e agora meio que faz mais sentido tudo isso, toda ela. Chega a ser filosófico e complexa a história e a personagem em si.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Só errou em uma coisa, a Margo nunca quis ser encontrada ela sempre deixou pistas pra que soubessem que ela estava bem .

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel