22 de julho de 2014

Resenha - Will & Will

Título: Will & Will
Autores: John Green e David Levithan
Editora: Galera Record
Páginas: 348
Classificação: 5/5
Onde Comprar: Saraiva
Sinopse:
Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra... Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.

Resenha:
A resenha de hoje é de um livro que me fez gostar ainda mais do John Green e fez com que eu me interessasse ainda mais por outras obras do David Levithan, Will & Will é o resultado de uma parceria feita entre esses dois autores incríveis, o livro mostra o quanto as coincidências podem alterar o rumo de tudo na vida de uma pessoa e o quanto o amor é algo poderoso, tudo isso através de um estranho e inusitado encontro de duas pessoas que compartilham do mesmo nome!
Will é o nome mais citado nesse livro, há dois Will Graysons que se encontram, não muita agradavelmente, em um lugar também não muito agradável e a vida de ambos muda completamente depois desse dia. O livro é narrado em primeira pessoa pela visão dos dois wills, o que narra tudo com letra minúscula é o que foi criado pelo Levithan e o que narra tudo de forma normal em relação ao modo de escrever é o do Green. Se você quiser saber mais sobre a trama, é só ler a sinopse, agora vou contar a minha opinião sobre o livro.
Logo no começo do livro eu não simpatizei com nenhum dos protagonistas, eu os achava chatos e reclamões  e não consegui me identificar nem um pouco com eles, mas com o tempo eles amadurecem, mudam e passam a ser super legais, ainda mais o Will do John Green, com o qual eu me identifiquei muito com relação a alguns sentimentos e pensamentos, o que só fez com que eu gostasse ainda mais do livro. O will do David Levithan não é muito legal, mas é um personagem tridimensional e bem criado, com o qual eu quase me identifiquei durante a leitura, mesmo sendo bem chato em várias partes!
Tiny foi uma criação do John Green e eu tenho certeza disso, isso porque ele é um personagem incrível, super engraçado e legal, o tipo de personagem que você gostaria muito que existisse na vida real só pra você trocar uma ideia com ele. O Tiny tem umas tiradas incríveis e o John Green faturaria muito se fizesse um livro só sobre a história dele. Eu já compraria!
Como já é de se esperar dos dois autores desse livro, a obra vem cheia de metáforas e tiradas engraçadas que tornam a leitura muito mais fluida e rápida, além de muito engraçada, enfatizo que o Tiny é um dos personagens mais engraçados que eu já vi e que ele é uma das grandes graças da obra!
O livro é meio que uma grande metáfora sobre o amor. Ele mostra o quanto o amor é algo poderoso e que pode mudar vidas, pensamentos, formas de agir e até mesmo pessoas. Não só o amor de namorados, mas amor materno, paterno e de amigo. Todas essas "subcategorias" são abordadas no livro, passando uma mensagem muito bonita para o leitor da obra, que é a de que o amor é algo amplo forte e que pode mudar muito as pessoas!
Ele não é um "romance homossexual", isso porque não foca nesse ponto durante a narrativa, apesar de ele estar presente na obra. Ele é um "romance jovem adulto". Se tivesse de classifica-lo dentro de um só gênero, escolheria um gênero chamado "coming of age", que é o tipo de livro que foca no amadurecimento dos personagens, o qual é conduzido muito bem pelos autores da obra.
Repito que é muito aparente o amadurecimento dos personagens durante a trama. Os autores conseguiram fazer essa mudança de atitudes sem descaracterizar seus personagens e de forma natural, como acontece com o ser humano, um mérito e tanto que mostra o quanto são bons escritores! O final também foi sensacional! Admito que cheguei perto de ficar emocionado ao mesmo tempo que estava com um enorme sorriso no rosto, pensando no quanto eu acho esses dois autores sensacionais!
Para quem é e para quem não é fã do John Green, Will & Will - Um Nome, Um Destino é mais do que uma recomendação! O livro expõe de forma divertida, inusitante e peculiar todas as formas de amor sentidas pelo ser-humano e mostra o quando os acasos podem mudar vidas. Um livro super divertido e uma das melhores leituras do ano até agora!
Abraços,
Gabriel

3 comentários:

  1. Iai xará :)

    Cara, estou louco por Will e Will já faz tempo. Sua resenha - como sempre - está ótima. Vou comprar o livro em Agosto e depois de ler, venho te contar o que achei. Abraços!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Como sempre sua resenha ficou ótima, Gabriel. Sou louca para ler Will & Will, só que ainda não pude ler/comprar pois tenho centenas de livros pra ler antes x__x Mas me parece ser um livro bem simpático, sim?
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  3. A resenha está ótima, bem estruturada, sucinta... deu pra despertar a vontade de ler o livro, eu já gostava do Green, então sou suspeita. Estou esperando ganhar esse livro em Agosto e tmb o Orfanato RsRs........ Muitos bjs

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel