17 de dezembro de 2013

Resenha - O Lado bom da Vida

Título: O Lado bom da Vida
Autor: Matthew Quick
Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Classificação: 3|5
Onde comprar: Saraiva


Sinopse:
Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a aceitar revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Uma história comovente e encantadora, de um homem que não desiste da felicidade, do amor e de ter esperança.


Resenha:
Quando você vai com muita sede ao pote, o produto pode não te agradar tanto quanto você gostaria... Foi mais ou menos isso que aconteceu com a minha leitura do livro O lado bom da vida, obra escrita por Matthew Quick e publicada aqui no Brasil pela editora Intrínseca.
Eu tava muito ansioso para ler esse livro, passei muito tempo tentando achá-lo em alguma livraria e depois de ter comprado aguardei até não estar lendo mais de 1 livro para começá-lo tranquilamente, já que minhas expectativas estavam mais do que elevadas, queria dar uma "atenção" especial ao livro, achando que ia ser favoritado e 5 estrelas, muito me iludi em relação a isso. O enredo conta a história de Pat, ele passou um tempo internado em uma clínica psiquiátrica, mas não se lembra ao certo o porquê, em um dia comum no "lugar ruim", sua mãe aparece e o leva de volta para casa, lá ele tem que aprender a lhe dar com o pai e com o "tempo separados" que foi imposto por sua ex-mulher Nikki, que se nega a vê-lo. O novo objetivo de vida do Pat é provar para Nikki que ele é um bom marido e que merece que o "tempo separados" acabe logo, para isso ele passa a ler os livros que sua ex-mulher lia, malhar e até ser gentil como ela sempre o pedia, visando que sempre há um final bom na vida e que sua mulher vai voltar para ele.
A história é mais ou menos isso, acompanhamos Pat tentando se provar bom para sua ex-mulher Nikki e ao mesmo tempo tendo que lidar com as fortes emoções que confundem sua cabeça após ter saído do "lugar ruim" e tentando se readaptar ao mundo normal, mas em certo ponto eu achei o livro repetitivo, o autor sempre voltava ao mesmo ponto: ser o suficiente para Nikki, não importava o que fosse, Pat sempre pensava primeiro em Nikki. Ok, ele quer que ela volte, mas mesmo assim ele não devia fazer tanto drama quanto fez, não consegui entender. A narrativa do Quick é boa, mas não do tipo que me agrada, como eu disse, não gosto de livros muito repetitivos, como as autoras do livro Dezesseis Luas fizera com ele.


Os personagens também não me cativaram muito, logo no começo do livro conhecemos o Pat, já que ele é narrado em primeira pessoa, mas o personagem não é explorado pelo autor logo de cara, o autor prefere esconder alguns segredos de nós e deixar o passado do personagem em segredo, fazendo com que a gente tenha vontade de continuar lendo o livro e saber o seu grande segredo, infelizmente, eu o descobri antes do tempo, o que acabou desandando a leitura, ele me irritou um pouco também, suas atitudes não condizem com sua idade durante a maior parte do livro. Já Tiffany, que é a cunhada de um de seus amigos, também sofre de alguns problemas mentais e tem um passado obscuro, mas ela é diferente e super legal, acho que a salvação do livro é ela, que fez, pelo menos para mim, a obra ficar super engraçada, além dos outros personagens secundários, que não são muito desenvolvidos pelo autor, mas que também não precisavam disso, ressalva para o pai de Pat: é durante a leitura desse livro que, mesmo que seu pai seja um mala às vezes, você percebe que ele é o melhor pai do mundo porque o pai de Pat... Não vou falar muito dele...
"... a vida é escrota, aleatória e arbitraria, até que se encontre alguém que faça tudo isso fazer sentido, mesmo que apenas temporariamente.”
Pat e Tiffany desenvolvem uma amizade com altos e baixos, ambos são um pouco loucos, tem passados obscuros e necessitam de um amigo que os entenda, ou seja: um necessita do outro e durante o livro o laço deles vai ficando mais forte e forte e enfim, coisas acontecem. rs
Uma coisa que pode incomodar quem for ler esse livro é a quantidade de detalhes de jogos de futebol americano que é inserida pelo autor, no mínimo 40% do livro é só de referências à futebol americano, isso não foi um problema para mim, não conhecia muito do esporte e achei fascinante saber um pouco mais dessa coisa toda dos jogos do exterior.
O desfecho me agradou, foi um tanto abrupto, mas isso não me incomodou, achei bem legal que aconteceu justo o que eu queria que acontecesse com os personagens e com a história no geral. Todos os capítulos são acompanhados por um nome criativa no começo, o que é super legal e provocou algumas risadas durante a leitura, que pode-se dizer que foi bem humorada, não do jeito que eu queria que tivesse sido, mas foi, não tinha como não ser, afinal, acompanhamos dois personagens malucos em busca de um rumo na vida. Não achei nenhum erro de revisão ou tradução e etc. por parte da editora. O livro tem muitas referências a músicas e, como eu já falei, ao futebol americano, que tomou conta da história em certo ponto.
Com uma premissa interessante, um protagonista irritante e uma mocinha apaixonante, O Lado bom da Vida mostra a luta de um homem que acredita em finais felizes atrás de um para si mesmo, misturado a drama, comédia e romance, o livro é uma leitura rápida e satisfatória, mas nada que entre para a lista dos favoritos nem nada do gênero, se você procura um romance bacana, fica minha dica.
Abraços,
Gabriel

10 comentários:

  1. Oi Xará :)

    Eu preciso urgentemente ler esse livro, para retirar todas as dúvidas possíveis sobre ele da minha cabeça. Abraços!

    https://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei cara! São muitas as dúvidas que eu tinha antes de começar a lê-lo também! Pena que não gostei! :/
      Abraços,
      Gabriel

      Excluir
  2. Quero muito ler esse livro :3
    Já ouvi tantos comentários negativos em relação a ele, mas acho que ele merece uma chance, adorei a resenha, mesmo você não dando 5 estrelas ao livro, pelo menos assim eu não me iludo muito.
    bjs
    anjodecereja.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não tinha visto ninguém falar mal dele, por isso me decepcionei tanto! Leia sim, desse modo você pode tirar suas próprias conclusões, afinal, a minha opinião pode não ser a mesma que a sua!
      Abraços,
      Gabriel

      Excluir
  3. FUTEBOL + FUTEBOL + FUTEBOL, sim esse livro é repetitivo nesse sentido, mas em "adorar e provas a Nikki é totalmente NORMAL"
    Eu realmente adorei ler esse livro, ele nos mostra uma coisa diferente e unica. Pat queria provar para Nik que era o cara mudado porque no casamento que eles tiveram ele foi um cara oposto do que ele quer ser agora, e por isso a cabeça dele era focado na ex sem contar que ele ficara mais de 1 ano no "lugar ruim" então querer mudar para NÃO voltar para lá era umas das suas virtudes e a sua grande inspiração de cidadão perfeito era Nik.
    Em fim discordo da sua resenha.

    XOXO :D
    {Joven Clube | Official}

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É cara, mas não achei muito legal o modo como o autor desenvolveu a história, fico feliz que você tenham gostado, mas opinião é uma coisa engraçada, só o que nos resta é respeitar um a do outro, certo?
      Abraços,
      Gabriel

      Excluir
  4. Ainda não li esse livro, mas eu comecei a assistir o filme, e.. putz, que coisa chata. Nem consegui terminar de assistir. Mas enfim, a resenha ficou boa, apesar de eu não ter nenhuma vontade de ler esse livro hahahhahaha
    Abraços.


    http://testraliosedragoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, se você não gostou do filme, de certeza não vai gostar do livro, o filme é mil vezes melhor do que o livro! Valeu pelo elogio! Haha
      Abraços,
      Gabriel

      Excluir
  5. Cara, eu tentei assistir esse filme 5 vezes, chato pra caramba... Dormi, pra variar, já vi q não é um livro legal, já q o filme passa longe né! bjus

    ResponderExcluir
  6. Oi adorei sua resenha!.. muito obrigado...me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços. www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?
    busca.livrariasaraiva.com.br/saraiva/Reverso
    www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel