16 de julho de 2013

Resenha - O Menino do Pijama Listrado

Título: O Menino do Pijama Listrado
Autor: John Boyne
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 186
Classificação: 5|5
Onde comprar:


Sinopse:
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os Judeus. Também não faz idéia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. "O Menino do Pijama Listrado" é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

Resenha:
Hoje vim falar o que eu achei do livro O Menino do Pijamas Listrado, um livro que me surpreendeu por ser tão simples e ao mesmo tempo tão maravilhoso! Vou adiantar dizendo que essa resenha vai conter inúmeros elogios à obra e ao autor! O livro conta a história de Bruno, um dia, Bruno chega em casa e encontra Maria, a crida, mexendo em suas coisas do armário e colocando-as em 4 caixotes de madeira, até aquelas coisas que eram só dele e que não pertenciam a mais ninguém (como ele disse inúmeras vezes ao relembrar tal dia), então perguntou à mãe o que estava acontecendo, e recebeu a resposta de que estavam de mudança, já que Fúria tinha planos para o pai e tal teria que se mudar e consequentemente, a família teria de ir junta. O que Bruno não sabe, é para o que o pai trabalha, na época em que o livro se passa, uma guerra fria é travada, a guerra dos judeus e dos seguidores da opinião de Hitler (desculpem minha ignorância por não saber o termo certo a ser designado), isso fica bem claro para o leitor em uma cena onde Bruno conversa com o pai no escritório, ao se despedir, acontece o seguinte:
"Heil Hitler", disse,  o que Bruno presumia ser outra forma de dizer: "Bem, até logo, tenha uma boa tarde" 
A partir desse trecho também podemos dizer o seguinte sobre a história e a narrativa do autor, John Boyne consegui transmitir a inocência de um garoto de 9 anos em suas palavras, o que é incrível, já que o autor não é lá mais tão pequeno assim e nem era ao escrever esse livro, Bruno não entende as coisas que lhe acontecem ao redor, sei que não é culpa dele, mas que deu vontade de entrar no livro só pra dar umas chulipa na orelha dele, deu! kk Voltando à história...
Bruno e sua família se muda para um lugar bem distante de Berlim, cidade onde moravam, e se sente triste por isso, pois para onde foram, não há crianças para brincar e a casa nem é tão grande quanto a que moravam em Berlim. Para Bruno, a única diversão está do outro lado da cerca, onde as pessoas usam pijamas listrados e vivem com os soldados ao seu rodar, onde há muitas crianças para se brincar, e tudo isso ele deduz olhando pela janela do quarto, onde dá pra ver as pessoas de pijamas do outro lado da cerca.
A mãe sorriu e depositou os copos cuidadosamente sobre a mesa. " Tenho mais uma frase pra você aprender", ela disse. " É a seguinte: temos que procurar fazer o melhor de uma situação ruim." 
Bruno adorava explorar, um dia, quando estava entediado na sua nova casa, ele decide que seria bom sair para explorar lá fora, mesmo sabendo que o pai e mãe não o deixavam passar dos limites da casa. Ao sair, ele descobre um menino do outro lado da cerca, os dois descobrem que têm muito em comum e viram amigos, a partir daí a história começa realmente a se desenrolar.
"Bruno era da opinião de que, em se tratando de pais, e especialmente em se tratando de irmãs, tudo o que eles não sabiam não podia feri-los."
Nas primeiras 150 páginas do livro, o autor cria uma introdução, como eu descreveria, para contar o que vê a seguir, Bruno tem um pai cruel, mesmo sem saber disso, e sua inocência é tudo que o transforma em um jovem rapaz (como gosta de ser chamado) tão bom, a gente nota isso com uma facilidade inexplicável. Em algum momento, a narrativa me confundiu entre primeira e terceira pessoa, não que eu tenha problemas com a língua portuguesa. Não! Nada disso, só que o autor foca em Bruno, e sentimos através da narração-observadora os sentimentos de Bruno e o que se passa em sua cabeça. Além da história central, aos poucos o autor vai nos mostrando que as pessoas amadurecem e que na época as pessoas realmente sentiam um nojo imenso dos judeus e isso é muito demais sabe, nem sei explicar! É um livro fininho, dá pra ler ele em um dia! Se eu, com meu ritmo de leitura parecido com uma tartaruga consegui lê-lo bem rápido, por que você não conseguiria?! O livro vale sim à pena e deve ser lido por todos!Até porque passa váaarias lições para se levar para a vida! Além de ter uma capa linda com as folhas de um tipo de papel bem macio! Em breve venho fazer um rápido comentário sobre o que achei do filme, que eu já assisti uma vez, mas perdi o dvd, :p. Acho que não tenho mais nada à acrescentar! Espero que tenham gostado!
Então é isso gente!
Até a próxima!
;)

3 comentários:

  1. Oi Gabriel! Tudo bem?
    Já vi o filme e achei emocionante, tenho um coração muito mole, então claro que chorei no final emocionante! Agora que li sua resenha até avaliei a possibilidade de comprar, mentira! Já estou louca pra comprar e acho que vou até usar sites on-line, que dificilmente uso! Sua resenha me deixou super curiosa! Adorei ela!
    Beijinhos!
    Regina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Regina! Tudo ótimo!
      O filme é muito bom mesmo, só não supera o livro! Não cheguei a chorar em nenhum dos dois, mas gostei muito de ambos! Obrigado por elogiar minha resenha! Espero que continue comentando!
      Abraços,
      Gabriel

      Excluir
  2. Muito boa a sua resenha Gabriel, era tudo o que eu precisava para tirar um 10 em lingua portuguesa na faculdade!!! Eu já vi o filme e me apaixonei!!!!

    ResponderExcluir

Fala galera! Vamos conversar um pouco sobre os comentários?

-> Eu adoro ler comentários, sério, gosto muito, mas a gente que é blogueiro percebe quando a pessoa leu o conteúdo do post e quando ela não leu. Por mais que você esteja comentando, a gente percebe que você não leu o post e isso não é muito legal, então comente coisas coerentes ao post, por favor, respeito quem escreveu o conteúdo lendo e comentado coisas inteligentes, comentários com "que legal! Comente no meu blog" não são legais.

-> Se você tem um blog de qualquer gênero, vou adorar conhecer. Talvez não vá lá no dia em que você comentou, ou no dia seguinte, mas mais dia menos dia vou conferir lá, e se você seguir o meu, eu sigo se volta sem nenhum problema!

-> Sem ofensas, por favor. Nunca passei por nenhum constrangimento durante o período de existência do blog e nem quero passar, então respeito é bom e todos gostam.

Comentem à vontade!
Abraços,
Gabriel